quarta-feira, 29 de Maio de 2013

Desafio 15 - Encosta do Sobral


15 de Junho de 2013 - 10h00

Tomámos o gosto à região do Tejo e agora não queremos outra coisa. O nosso próximo Desafio está marcado para Tomar, onde vamos conhecer a Quinta e os vinhos da Encosta do Sobral.

Há várias gerações que a família proprietária se dedica à cultura da vinha e do vinho. No seu início a produção era de cariz familiar e o excedente colocado no mercado local. Ao longo dos anos verificaram-se alterações com aumentos graduais de plantação de vinha, porém nos finais da década de 90, procedeu-se a uma reestruturação dos vinhedos.Esta foi acompanhada de um novo encepamento e emparcelamento, tendo sido atingido um total de 70 hectares, que num futuro próximo serão ampliados dada a excelente situação ecológica da zona.Na sequência desta remodelação construiu-se uma nova adega equipada com a mais recente tecnologia, situada na povoação do Outeiro a 8 km de Tomar.As vinhas da Encosta do Sobral foram plantadas nas encostas soalheiras pertencentes às Freguesias da Junceira e da Serra.


Nesta visita, o nosso anfitrião será o Eng. Pedro Sereno, proprietário e enólogo da Encosta do Sobral, que nos deixa o seguinte convite:
Venha conhecer a Encosta do Sobral e as suas novidades… mas falemos primeiro das vinhas porque é lá que tudo começa. As nossas vinhas estão geograficamente inseridas na Região do Tejo, contudo a sua situação ecológica é um pouco distinta desta, dado que se encontra no limite superior da Região, ou seja, a uma altitude entre os 250-300 metros na sub-região de Tomar. Para além deste facto, possui uma topografia caracterizada por encostas acentuadas e soalheiras em solos Mediterrânicos pardos, derivados de xisto vocacionados para baixas produções de elevada qualidade. Uma exposição solar intensa associada a fenómenos de reflexão provocados pelos terrenos xistosos permite elevadas concentrações, dando origem a vinhos cheios, ricos e com carácter. As primeiras novidades são os brancos 2012… como sabem este ano foi bastante gratificante. Mais uma vez alcançamos o nosso objectivo garantindo o nosso estilo e qualidade, recentemente reconhecida em diversos Concursos Internacionais. Em relação aos tintos vamos dar a conhecer todas as gamas de 2011. Esta vindima foi bastante equilibrada com alguma quebra de produção devido `a elevada pressão fitossanitária que ocorreu. Com efeito as videiras tiveram de se adaptar, não obstante conseguiram originar maturações fabulosas e com estas, vinhos incríveis! Deixe-se de modas e impressione-se pela qualidade!



10:00 - Ponto de encontro na adega da Encosta do Sobral  (Encosta do Sobral, Outeiro-Serra, 2300-442  Tomar).

10:15 - Recepção do grupo, apresentação da quinta e visita às vinhas.

11:00 - Visita à adega.

12:00 - Prova dos vinhos (colheitas novas e algumas surpresas).

13:00 - Visita à loja da Quinta.

14:00 - Almoço no Restaurante A Lúria.

A visita e a prova são grátis, o almoço tem o preço de 17,50€ (crianças 7,50€).

Esperamos mais uma vez poder contar com a vossa presença para mais uma jornada de boa disposição à volta do vinho. Feito o convite, ficamos a aguardar as vossas confirmações, que poderão ser feitas até ao dia 12 de Junho. O numero de participantes é limitado a 30 por isso tenham esse facto em consideração.




Podem contactar-nos para algum esclarecimento que necessitem ou para confirmarem as vossas presenças, como sempre, através dos nossos canais habituais... Até dia 15 de Junho.


Reservas e informações,
através do twitterfacebook
ou por email:  info@desafiosdaadega.com


segunda-feira, 27 de Maio de 2013

Visita à Quinta da Alorna


O Diogo Rodrigues conta no seu Blog, como foi a nossa visita à Quinta da Alorna. Para ver aqui.

sexta-feira, 19 de Abril de 2013

Desafio 14 - Quinta da Alorna


11 de Maio de 2013 - 10h00

Os Desafios da Adega estão de volta. Finalmente! Dizem vocês. Pois é, depois da chuva e do frio e de resolvidos todos os afazeres e imprevistos que nos surgiram, estamos de volta. E para nos redimirmos de tão longa ausência, regressamos com uma visita a um produtor e a um lugar muito especial. A Quinta da Alorna.


Em meados do século XVIII, D. Pedro de Almeida Portugal, 1º Marquês de Alorna, antes de partir para a Índia como vice-rei, mandou, em 1725, construir o palácio que viria a ser palco de grandes acontecimentos históricos e culturais que marcaram o Portugal que fomos.
D. João, seu filho, e D. Leonor Távora, sua mulher, amaram o palácio e a propriedade como nenhuma outra na sua vida; D. João plantou vinhas, produziu azeite, criou pomares, bosques e jardins de amoreiras. Copiando o modelo francês, imaginou pontes levadiças, lagos e buxos tão em voga nas elites europeias. No final do século XVIII a família Alorna viajava de barco, Tejo acima, demorando uma noite inteira de Lisboa até Almeirim onde prontamente uma carruagem da casa os aguardava para os levar alameda acima até ao palácio...
A Sociedade Agrícola da Alorna, nasceu em 1915 após o falecimento da Condessa da Junqueira, D. Emília Angélica Monteiro de Sampaio, filha do Visconde da Junqueira, que por não ter descendência acabou por permitir que a Quinta fosse herdada por seis parentes seus. Três anos mais tarde, em 1918 a propriedade foi adquirida por novos sócios, entre eles, o médico, dentista e empresário, Dr. Manuel Caroça, que se tornou, em pouco tempo, o único dono da Quinta, adquirindo as quotas dos restantes sócios. Fernanda Caroça, sua filha, casou com o professor doutor Fausto Lopo de Carvalho, prestigiado médico pneumologista contemporâneo de Egas Moniz, que se encarregou da gestão da Quinta, conseguindo que voltasse à prosperidade dos tempos antigos. O casal teve três filhos que o avô, Manuel Caroça, tornou herdeiros da Quinta da Alorna, ainda em vida...
Há cinco gerações na família Lopo de Carvalho, a Quinta da Alorna continua a ser a casa que se orgulha da sua tradição, da sua história e dos seus produtos. Uma história cheia de histórias ou não fosse a Marquesa de Alorna uma admirável contadora de histórias. 

É este grande legado histórico que vamos ter oportunidade de conhecer na nossa visita do dia 11 de Maio (Sábado), bem como toda a história dos seus vinhos, que vão ser apresentados pela enóloga Martta Simões, responsável pelos mesmos desde 2010. A Quinta da Alorna é das referências mais conhecidas e consistentes da região do Tejo e  os seus vinhos têm sempre a marca de boas relações qualidade-preço. Tudo excelentes razões para um grande Desafio em prespectiva. O programa das festas é o seguinte:

  10:00 - Ponto de encontro na Quinta da Alorna (2080-187 Almeirim. GPS: 39º 11' 57.6996" N, 8º 38' 23.0604" O). Recepção do grupo, apresentação da quinta e visita à propriedade.

 11:00 - Visita à adega e apresentação da história dos vinhos.

 12:00 - Prova dos vinhos, comentada pela enóloga Martta Simões.

 13:00 - Visita à loja da Quinta e despedidas.

 14:00 - Almoço em restaurante local a definir.




A visita é grátis e o almoço é pago directamente no restaurante (preço a definir e divulgado oportunamente).

Esperamos mais uma vez poder contar com a vossa presença para mais uma jornada de boa disposição à volta do vinho. Feito o convite, ficamos a aguardar as vossas confirmações, que poderão ser feitas até ao dia 3 de Maio. O numero de participantes é limitado por isso tenham esse facto em consideração.

Podem contactar-nos para algum esclarecimento que necessitem ou para confirmarem as vossas presenças, como sempre, através dos nossos canais habituais... Até dia 11 de Maio.


Reservas e informações,
através do twitterfacebook
ou por email:  info@desafiosdaadega.com


quinta-feira, 18 de Outubro de 2012

Desafio 13 - Vinhos Azamor


Passado o verão e a época de férias, período em que as nossas actividades são suspensas, chegou agora a hora da nossa rentrée.

É já no no próximo dia 10 de Novembro que regressamos ao Alentejo para conhecer o projecto dos vinhos  Azamor.

O destino é a Herdade do Rego, situada entre Borba e Elvas, numa das zonas mais altas da região, o que tem sido uma mais-valia enorme para a qualidade dos vinhos deste produtor.


A Herdade do Rego foi comprada em 1998 por Alison Luiz Gomes, e pelo marido, Joaquim Luiz Gomes. Aquisição lógica já que a herdade pertencia à família Luiz Gomes desde há muitos anos. A adega, concluída em Julho de 2007, é moderna e tem 4 salas de provas e uma capela familiar.


Com um total de 260 ha, a herdade conta com 27 ha plantados com vinhas, 140 de olival e 30 de sobreiros e pinheiros. Os restantes são a "casa" dos cavalos lusitanos.

Podem conhecer um pouco melhor os vinhos Azamor na sua página do Facebook.


A visita terá início às 10h com uma conversa com a produtora Alison Luiz Gomes. Segue-se depois a visita às vinhas e adega, e no final a prova dos vinhos com um pequeno snack a acompanhar.

De seguida iremos ter uma actividade que se aguarda divertida. O grupo será dividido em várias equipas que irão elaborar um blend com os vinhos disponíveis com o objectivo de obter a melhor garrafa.

A equipa vencedora desta parte do Desafio leva uma garrafa do blend elaborado como prémio.


Terminada a visita e como a hora de almoço já fica próxima, o grupo vai rumar ao restaurante Canto (Rua de Elvas, Vila Boim) onde, na companhia da produtora, o convívio e a prova dos vinhos continuará durante o almoço.

Neste Desafio o único custo é a refeição, sendo que cada um pagará a sua parte individualmente ao restaurante.

Por questões de logística o Desafio na Azamor estará limitado a 20 pessoas.

A Herdade do Zambujal situa-se em Ciladas, Vila Viçosa. Coordenadas GPS: N38º 50’ 27.17 , W7º 14’ 49.39.

Reservas e informações,
através do twitter, facebook
ou por email:  info@desafiosdaadega.com

segunda-feira, 16 de Julho de 2012

Visita à Torre do Frade

Foi no dia 8 de Julho que se cumpriu mais um Desafio, desta feita o produtor escolhido foi a Torre do Frade

Foto: Diogo Rodrigues

O ponto de encontro estava marcado para a pitoresca aldeia de Santo Aleixo e à hora marcada todo o grupo estava reunido. À nossa espera tínhamos um reforço do pequeno almoço e era justificado pois pela frente esperava-nos uma manhã de trabalho na vinha.

Sem mais demoras, depois do café tomado, chegou a nossa boleia e de tractor lá fomos conhecer as propriedades da Torre do Frade.

Foto: Daniel Matos

Desta vez o produtor escolhido não se limita à produção de vinhos. Trata-se de uma Exploração Agrícola familiar que além do vinho também produz cereais, cortiça, mel, porco alentejano certificado e é um dos sócios fundadores da Carnalentejana, que produz desde o início da década de 90, contanto neste momento com cerca de 1000 cabeças de gado bovino certificado.

Foto: Daniel Matos

E ao chegarmos à primeira paragem do dia, onde estão plantados os 30 hectares de vinha da propriedade, foi mesmo isso que o nosso anfitrião, Fernando Albino, juntamente com dois dos seus filhos (o Bernardo e o Diogo Albino) foram explicando. A Torre do Frade é uma história de família e mantém ainda hoje esse cariz com grande parte dos seus membros (dos mais velhos aos mais novos) envolvidos na actividade da empresa.

Foto: Jorge Nunes

Com um resumo da história da propriedade e do actual trabalho que desenvolvem, explicou  que entre o cultivo dos cereais, à criação de gado, também desde 2001 a paixão da família passa pela produção de vinho (tanto com marca própria como a produção de uva para outros produtores), tendo nessa altura sido plantados os primeiros 14 hectares de vinha, que dariam origem três anos mais tarde ao primeiro vinho em nome próprio, o Torre do Frade Reserva 2004.

Hoje em dia as castas plantadas são a Arinto, Antão Vaz e Viognier nas brancas e a Aragonez, Alicante Bouschet, Trincadeira e Syrah para os tintos. Todas as parcelas plantadas em solos planos e xistosos.

Assim estava lançado o primeiro desafio do dia para os visitantes: integrar a equipa de campo da Torre do Frade.

Foto: Daniel Matos

O trabalho dessa manhã passava pela contagem dos cachos de uvas existentes nas videiras de modo a avaliar a produção prevista, assim como verificar o estado de desenvolvimento da vinha.

Foto: Daniel Matos

Após as explicações técnicas do Bernardo Albino, responsável pela viticultura,  foi altura de deitar mãos à obra. Este é um trabalho que tem de ser feito periodicamente, juntamente com o controlo de pragas que terão de ser tratadas e outros problemas da vinha. Uma tarefa que todo o grupo, dos mais novos aos mais velhos, se envolveram com dedicação e curiosidade. Foi uma aula prática muito didáctica e divertida.

Ainda ficámos a saber que a Torre do Frade desenvolve um sistema de produção integrada, tentando ao máximo reduzir a utilização de produtos químicos, diminuindo o impacto no meio ambiente e mantendo ao máximo a naturalidade dos produtos que produz.

Foto: Daniel Matos

Terminado o trabalho duro partimos para a próxima etapa da visita, conhecer um lugar único no Alentejo, onde os vinhos da Torre do Frade estagiam. Desta vez, como a Torre do Frade não possui adega própria, contratando esse serviço aos "vizinhos" da Herdade do Perdigão, passámos directamente para a  parte do estágio.

O lugar falado é uma mina subterrânea de construção francesa que data do século XVII, um lugar muito bonito onde o vinho faz o seu estágio, seja nas barricas de carvalho francês e americano, ou já na garrafa, à espera da hora de vir para o mercado e ser provado por todos nós.

Foto: Jorge Nunes

Foto: Daniel Matos

Foto: Jorge Nunes

Terminado o percurso de campo, era chegada a hora de conhecermos a Herdade da Torre do Frade, onde iríamos conhecer os vinhos e almoçar. Antes do fabuloso almoço que nos esperava, ou não fosse este um produtor de uma das melhores carnes que se produz em Portugal, ainda houve tempo para o grupo se refrescar um pouco e conhecer os primeiros vinhos, os dois brancos da casa. Enquanto se provavam os vinhos, também nos íamos deleitando com os enchidos de porco alentejano e os queijinhos tradicionais disponibilizados para acompanhar a prova.

Começou-se com o novo Virgo Branco 2011 e passou-se de seguida ao Torre do Frade Viognier 2011.

Foto: Daniel Matos

Foto: Daniel Matos

Foto: Daniel Matos

Durante o almoço foram provados os tintos da casa. Começando com o Virgo 2010 e passando depois ao Torre do Frade Reserva 2006.

Mas ainda havia mais uma surpresa preparada pelo produtor e tivemos a oportunidade de provar o Torre do Frade Reserva 2007 e o 2008 que ainda não estão no mercado.

De referir que a enologia da casa é desde o início desta aventura da responsabilidade do reconhecido enólogo Paulo Laureano, que tem tirado o melhor partido deste terroir, exprimindo assim o conceito pretendido para os vinhos Virgo e Torre do Frade.


Depois do delicioso almoço, foi tempo de uma amena e divertida cavaqueira, onde houve lugar para muitas histórias relacionadas com a família e a propriedade, como aquela da recambolesca vida de um imponente touro de 1.350 kg (na foto juntamente com a equipa dos Desafios da Adega), que não só teve uma vida mais longa que o habitual como também ganhou um primeiro prémio. Foi o primeiro animal nascido na propriedade nesta nova fase da empresa familiar e hoje está imortalizado na sala de eventos da propriedade.

Foto: Daniel Matos

Antes da despedida e para desmoer o almoço, fez-se um passeio até à plantação de trigo e à exploração bovina, onde houve ainda o brinde de poder ver uma ceifeira de 6 metros a trabalhar, tendo alguns sortudos tido a oportunidade de fazer uma viagem a bordo (esperamos por essas fotos).


A foto de grupo, já tradicional nos nossos eventos, foi tirada antes do regresso a casa, e como já vem também sendo hábito ficou incompleta pois alguns dos convidados já tinham iniciado o regresso a casa.

Foto: Diogo Rodrigues

Foi um dia passado na companhia de amigos, entre o grupo e a família da Torre do Frade que nos acolheu de forma fantástica e nos fez sentir em casa. A todos eles o nosso obrigado por mais um grande Desafio.


Agora vamos de férias que o tempo quente assim impõe, mas fiquem atentos pois voltaremos em breve a anunciar novos Desafios!



Podem também seguir os Desafios da Adega no twitter e no facebook.

segunda-feira, 11 de Junho de 2012

Desafio 11 - Torre do Frade

Nas visitas dos Desafios da Adega é agora altura de voltar ao Alentejo.

Desta vez o produtor que propomos irem conhecer é a Torre do Frade.



A Torre do Frade é uma exploração agrícola de índole 100% familiar cuja ligação à terra é directamente indissociável da sua origem enquanto família.

O Monte da Torre do Frade está situado no Distrito de Portalegre no Alto Alentejo, Concelho de Monforte, Freguesia de Santo Aleixo é um local mágico bafejado pela história do tempo. Esta Herdade foi um convento de 1384 a 1834 tendo sido comprado pelos antepassados da família no ano de 1839. Aqui, cada passo e cada pedra revelam um segredo do tempo.

Torre do Frade
Imagem: Torre do Frade, no Flickr

Em 2001 nasce a primeira parcela de vinha da casa agrícola Torre do Frade com o plantio de 13,8 ha. Em 2002 plantam-se mais 10,3 ha e actualmente perfaz um total 30,72 ha de vinha.

Em 2007 investiu no plantio de uva branca, 4,5 ha de Arinto de 3 ha de Viognier sendo produzido o primeiro branco da casa, o Torre do Frade Viognier na colheita de 2009 com uma produção de 1.000 garrafas, o sucesso foi de tal ordem que em 15 dias esgotaram.

No ano de 2011 procedeu-se à re-enxertia de 2,4 ha de Antão Vaz, aumentando assim o portfólio das castas brancas.

Começou por, em conjunto com o Eng.º Paulo Laureano, idealizar o Torre do Frade Reserva 2004, criando um vinho com capacidade para estagiar em madeira de primeira qualidade e produzir um vinho à medida para o segmento topo de gama.

Ferro da Casa
Imagem: Torre do Fradeno Flickr

A nossa visita de dia 8 de Julho à Torre do Frade inclui além da visita à adega, a prova dos vinhos do produtor e também um almoço com Carnalentejana, associação da qual este produtor é um dos membros fundadores

O programa da nossa visita começa com a reunião do grupo às 11h00 nas instalações do produtor. Estão previstas depois as seguintes actividades:

  • 11:30 - Visita à exploração Agrícola (Vacas, Cereais, Sobreiros no reboque de um tractor)
  • 12:30 - Visita à vinha e adega
  • 13:30 - Almoço na Herdade
  • 16:00 - Regresso


O custo da visita, com a refeição incluída é de 20€ por pessoa (crianças não pagam).


O Monte Torre do Frade situa-se na Estrada Nacional N372, km 53 (coordenadas GPS N 38 55.645, W 7 22.895)


Podem contactar-nos para algum esclarecimento ou para confirmarem as vossas presenças até dia 3 de Julho, como sempre, através dos nossos canais habituais... À vossa e até dia 8.


Reservas e informações,
através do twitter, facebook
ou por email:  info@desafiosdaadega.com

quarta-feira, 23 de Maio de 2012

Visita à Sociedade Agrícola João Barbosa (Vinhos Ninfa)

Ainda não eram 11h da manhã de sábado quando os primeiros membros do grupo dos Desafios da Adega começaram a chegar à Sociedade Agrícola João Barbosa.

Pela frente estava programada a visita às vinhas e adega do produtor e também uma prova do vinhos Ninfa, produzidos ali mesmo às portas de Rio Maior.


Porta de Teira
Foto: airdiogo, no Flickr


J.T.B. 1945
Foto: airdiogo, no Flickr

Fomos recebidos pela Teresa Barbosa que com uma enorme simpatia e disponibilidade foi mostrando os cantos da casa.

Com cerca de 6 hectares de vinha, a Sociedade Agrícola João Barbosa aposta principalmente na qualidade e em produzir vinhos que reflictam uma personalidade própria.

Foto: airdiogo

Tendo o seu avô sido um dos fundadores das caves Teodósio, este projecto familiar é a continuação de um sonho familiar e um assumir de um modo de vida.

Foto: airdiogo

A vinha está de momento em processo de conversão em agricultura bio dinâmica, sendo já uma preocupação minimizar a utilização de químicos em todo o processo.

Depois de conhecida a origem das uvas chegou a altura de conhecer a adega. Sendo um produtor com um volume pequeno esta estava, claro, parada de momento mas mesmo assim a Teresa explicou todos os procedimentos.

Houve ainda oportunidade de provar, directamente da cuba de inox, uma amostra do Touriga Nacional de 2011, que mostrava todo o potencial de vir a ser parte de um grande vinho.

Em prova estiveram 5 vinhos da gama Ninfa. Primeiro um espumante, depois a novidade que foi o branco de Sauvignon Blanc que será lançado brevemente e ainda três tintos.

Foto: Daniel Matos

Na bonita sala de provas que se situa por cima da adega o grupo foi tendo a oportunidade de provar os diferentes vinhos, cada um deles cuidadosamente harmonizado com diferentes petiscos. Tudo isto juntamente com as explicações da Teresa Barbosa.

sala de provas
Foto: airdiogo, no Flickr

Antes de se continuar a jornada houve ainda direito à já obrigatória foto de grupo. Ainda mais importante desta vez pois um novo recorde foi registado com a presença de 44 adultos e 7 pequenos aspirantes a Desafiados.


Foto: Daniel Matos

Enquanto o almoço e a sala eram preparados no restaurante Solar do Sal houve ainda tempo para uma visita às Salinas de Rio Maior, onde tivemos oportunidade de ouvir uma pequena explicação sobre o processo de extracção do sal ali produzido, assim como das suas características.

Foto: Daniel Matos

O almoço foi naturalmente mais um grande momento de convívio deste grupo cada vez maior. Por pouco não cabíamos no restaurante.

Foi uma visita marcada pela simpatia e disponibilidade dos nossos anfitriões, pela qualidade dos seus vinhos e por se ter conhecido o fenómeno que são as Salinas de Rio Maior.

À equipa dos Desafios da Adega só resta agradecer à Sociedade Agrícola João Barbosa, com destaque para a Teresa Barbosa, por nos terem convidado a ir visitá-los e também agradecer a todos a presença neste dia.

Voltaremos brevemente a anunciar novos Desafios!



Podem também seguir os Desafios da Adega no twitter e no facebook.